Dor ao Amamentar: Como se Preparar e Evitar esse Desconforto que afeta Inúmeras Mulheres

Logo após o nascimento do bebê iniciam-se diversas novas rotinas e dentre elas a amamentação. Contudo, nem sempre isso é confortável, ainda mais no começo quando muitas mulheres sentem dor ao amamentar.

E isso pode ocorrer por diversos motivos, mas com algumas dicas e novos hábitos, os desconfortos irão diminuir, fazendo com que você e seu bebê desfrutem do momento. Quer saber mais? Então, continue lendo!

dor ao amamentar o que fazer

Dor ao amamentar

Ao contrário do que grande parte das pessoas imaginam, a amamentação não é algo óbvio e robótico. Onde, mesmo que instintivo, requer atenção, instrução, paciência e cuidado.

Com isso, para muitas mulheres esse momento tão esperado torna-se frustrante e dolorido. Mas calma, essa capacidade não é uma sabedoria pré-existente. E por isso deve ser feita aos poucos e com afeto, como tudo que envolve a gestação e a maternidade.

Depois que o bebê nasce, a maioria das mães esperam ansiosamente por esse momento, imaginando como isso pode ser bonito e mágico, o que realmente é! Mas, conforme as sucções e números de mamadas aumentam esse sentimento se esvai, deixando somente o incômodo e a vontade de tudo que passe rápido.

Diante disso, se essa realidade está acontecendo com você ou já ocorreu, saiba que há um problema nisso tudo, que é a pega do bebê! Sim, a forma que boca do neném encaixa no seio não está adequada e por isso as dores ocorrem em grande parte dos casos.

Quando a pega é feita de forma indevida, machucados e fissuras aparecem com mais frequência, fazendo com que também haja sensibilidade extrema e até sangramento em alguns casos. Assim, a nossa dica fundamental é antes de mais nada corrigir a pega do bebê em relação a boca e o seio.

dor ao amamentar o que fazer para evitar

Como preparar o seio para a amamentação

Geralmente, as pessoas mais antigas sempre têm algumas receitas caseiras que prometem evitar ou até sanar o desconforto durante a amamentação. Dentre elas estão o uso da bucha vegetal antes mesmo do nascimento do bebê. Uma vez que segundo opiniões ela irá calejar a pele, a fim de prepará-la evitando os machucados.

Contudo, isso não é benéfico e até arriscado, pois ao estimular o seio durante as últimas semanas de gravidez é possível que o cérebro entenda que já está na hora de amamentar. Diante disso, a placenta pode perder sua capacidade de proteção ao bebê, estimulando abortos espontâneos ou precocidade no parto. Assim, cuidado e evite esse método.

Além dele, também há outro tradicional e popular que é o uso de cascas de frutas e até verduras para acelerar a cicatrização do seio. Porém, essa forma também não é recomendada por médicos especialistas. Visto que não apresentam comprovação científica e também podem causar infecções e proliferação de bactérias.

Assim, segundo médicos, a melhor forma de preparar-se para a amamentação é cuidar do corpo de maneira saudável.

Transformações do corpo

Durante a gestação, as mudanças no corpo são perceptíveis e isso também incluí os seios. Que do meio para o final da gravidez aumentam de maneira considerável, bem como, as auréolas que ficam mais escuras e com textura grossa, o que indica a ação de glândulas sebáceas que por fim formam os tubérculos de Montgomery.

Os tubérculos de Montgomery são pequenas bolinhas, semelhantes a espinhas com um aspeto esbranquiçado, situadas nas aréolas e em volta dos mamilos de ambas as mamas. E por sua vez, apresentam função fundamental de hidratar e preparar a pele para o posterior atrito da amamentação.

Assim, se está ou apresentou esses sintomas, saiba que seu corpo também está se preparando para todo o processo. E com isso, ao seguir as dicas, a dor ao amamentar provavelmente será menor. Mas, como igualmente salientado é importante ter atenção e calma!

O formato do bico não influencia

Segundo opiniões de médicos especialistas, o formato do bico do seio também não interfere na amamentação, uma vez que a pega correta deverá ser feita na auréola e não no bico.

Mesmo nos casos de bicos invertidos ou planos, existem opiniões que sustentam que há a capacidade de amamentar com auxílio de retirada do excesso do leite, entre outros métodos. Assim, caso tenha dúvidas procure um médico ou especialista no assunto para melhor orientação.

dor ao amamentar com evitar

Como ensinar ao bebê fazer a pega correta para evitar dor ao amamentar

Conforme já dito algumas vezes, para evitar dor ao amamentar é importante que o bebê faça a pega correta no seio, porém, isso nem sempre é simples uma vez que é preciso ensinar à mãe e também à criança. Em algumas maternidades e hospitais há esse auxílio de instrução, contudo, em outras não o que pode dificultar o dia a dia familiar.

Diante disso, primeiramente é necessário que a mãe se posicione de maneira confortável e aconchegante, visto que a alimentação poderá levar algum tempo.

Depois disso, já é possível posicionar o bebê corretamente e assim, lembre-se que para que dê certo é preciso deixar a barriga da criança encostada com a da mãe. Isso permitirá que a cabeça do neném fique posicionada corretamente, melhorando também a descida do leite.

Com a criança já deitada e encostada em um dos braços, com a outra mão a mãe deverá segurar o seio de forma que a aréola fique menor, ajustando-se a boca da criança. Isso porque, essa é a área correta para estimular a saída do leite.

como fazer a pega correta

Quando é realizada de forma incorreta, ou seja, no bico, a sucção fica mais intensa, fazendo com que o bebê faça mais esforço. Igualmente, aumentando o atrito, para então sair uma quantidade menor e até resultando em mais mamadas durante o dia. Uma vez que ele não conseguirá ingerir a quantia ideal para sentir-se satisfeito.

Esse atrito sem dúvidas irá machucar o seio, assim como, causar dor. Portanto, dedique-se à pega correta! E se ficou com dúvidas, calma! Pois separamos um vídeo para você entender melhor!

Como fazer a pega correta na amamentação – Vídeo

Vídeo Youtube – Ministério da Saúde

Como tratar e melhorar o seio já machucado

Além da dor ao amamentar outro fator que incomoda muito as mulheres são as fissuras e machucados que já estão no seio e se intensificam conforme a amamentação. E isso é realmente muito desconfortável, pois transforma um momento especial de compartilhamento em algo doloroso.

Mas, para isso, algumas dicas simples e fáceis podem funcionar, deixando o seio mais propenso à cicatrização e também melhorando a amamentação de forma geral. Veja!

Para evitar dor ao amamentar evite o uso de sutiã por tempo prolongado

O sutiã, ainda mais se o tecido não for de fácil respiração como o algodão, pode ser um incômodo para a cicatrização de machucados e fissuras causadas pela amamentação, visto que mantém o local abafado e úmido. Com isso, se possível, fique sem sutiã ou apenas como o protetor de seio de silicone.

Isso porque quanto menos atrito tiver na região da aréola e bico, mais rápida será a cicatrização. Da mesma forma, quando estiver sem sutiã, procure usar blusinhas ou camisetas mais largas que também não causem desconfortos ao seio, bem como tecidos leves e de fácil respiração como algodão e malha. Isso irá estimular a melhora e cicatrização mais rápida.

Tomar sol no seio também estimula a cicatrização

O sol contribui com diversos benefícios à nossa saúde e isso também inclui a cicatrização da pele machucada devido a amamentação. Isso porque, como a área geralmente fica úmida pela saliva do bebê e saída de leite é comum que os machucados demorem mais para cicatrizar.

Logo, tomar sol é fundamental, pois ativa a vitamina D do organismo, essencial à manutenção da saúde e que também estimula o processo de recuperação.

Diante disso, se possível encontre um lugar na sua casa que bata pelo menos alguns minutos de claridade e deixe que a área sensibilizada fique exposta ao sol diretamente. Ou seja, sem o uso de sutiãs, blusinhas ou outras proteções.

Porém, é importante ter atenção para os horários de banho de sol para que fiquem estabelecidos antes das 10:00h ou após às 15:00h, momentos em que há menos riscos a exposição de raios UVA e UVB.

O próprio leite materno também estimula a cicatrização

Naturalmente, o leite materno é rico em vitaminas e minerais importantes para o desenvolvimento do bebê. Contudo, ele também pode ser usado na cicatrização da pele, visto que reduz o risco de inflamações e infecções.

Assim, durante o banho de sol nas regiões sensibilizadas passe um pouco do leite materno onde há mais fissuras e feridas, evitando passar outros produtos como hidratantes e cremes que não sejam específicos para a funcionalidade.

Ao seguir essa dica simples e sem custo, as dores aos poucos irão amenizar assim como, os machucados expostos.

Procure pomadas específicas para tratar machucados que causam dor ao amamentar

Além do leite materno, nos casos de feridas severas e sangramentos também é recomendável por médicos o uso de pomadas de lanolina nas feridas provenientes da amamentação. Esse ingrediente estimula a hidratação da pele, assim como a cicatrização, diminuindo o desconforto com muita eficiência.

Esse componente também pode ser ingerido pelo bebê e por isso não precisa ser retirado a cada alimentação, evitando possíveis machucados causados pela limpeza. Assim, caso tenha interesse, procure um médico a fim de identificar a indicação ou não do uso.

bebê mamando

Além dessas dicas para tratar o local já sensibilizado, durante o banho lave apenas com água e sabão, evitando ingredientes agressivos como álcool, merthiolate, entre outros. Assim como óleos e cremes hidratantes que podem prejudicar tanto a cicatrização como bebê. Com isso, cuidado!

Ao seguir essas dicas, os desconfortos e dores ao amamentar irão diminuir, permitindo que você e seu bebê desfrutem do momento com mais calma e relaxamento.

Gostou das nossas dicas? Então deixe o seu comentário!

Aproveite e leia também sobre como implementar a rotina alimentar para bebês de 1 ano!

Lara Janaína Theodoro, mãe da Sara e fã de assuntos relacionados a moda, beleza, maternidade, entre outros sobre o universo feminino. Desde 2018 atua como redatora, trazendo sempre para seus artigos um pouco da sua vivência e experiência como mãe e mulher.

Deixe um comentário