Depressão na Gravidez Prejudica o Bebê? Saiba os Principais Sintomas e Como Tratar

Geralmente, a gravidez é acompanhada de momentos bons e alegres. Contudo, de uma hora para outra, todo esse sentimento muda e a grávida se sente triste, ansiosa e chorosa, sem motivo aparente e por longos períodos. O que pode ser um sinal de depressão na gravidez.

Diante disso, é importante ter atenção para os sintomas, bem como, conhecer os tratamentos para que tudo passe rápido, sem causar danos ao bebê.

Quer saber mais desse assunto tão importante? Então, continue lendo e saiba tudo sobre a depressão na gravidez.

depressão na gravidez

Depressão na gravidez

Descobrir que está esperando um bebê é um momento transformador, mas também pode trazer alguns sentimentos traiçoeiros, pois as responsabilidades e dúvidas invadem o pensamento. Gerando angústia, ansiedade e até tristeza, o que pode causar depressão na gravidez.

Quando esses sentimentos invadem é comum as mães ficarem tristes, chorosas e desanimadas com a gravidez, mesmo sendo um momento tão desejado e esperado. E infelizmente, por vezes esse período é visto de forma inadequada por muitas pessoas, até próximas. Onde acabam por gerar uma maior sensação de angústia e depressão.

Diante disso, vale a dica de manter a calma e saber que esse momento vai passar. Afinal, a gravidez traz inúmeras mudanças, inclusive, alterações hormonais que contribuem para todas as questões citadas anteriormente.

O desenvolvimento de faculdades ligadas à maternidade também podem gerar essa sensação de frustração e ansiedade, que também leva a depressão. Por isso, tente respirar profundamente quando os picos de stress ocorrerem e lembre-se que essa é mais uma fase de transformações, onde são necessárias mudanças, mas que irão proporcionar um desenvolvimento e evolução própria, da criança e de toda família.

Durante essa fase de maior fragilidade, algumas situações também podem ser gatilhos para esse mal estar. Portanto, caso perceba isso, uma outra sugestão é tentar manter distância desses fatos, pelo menos até o final da gravidez. A fim de garantir mais tranquilidade e afeto até o término da gestação. Uma vez que, a paz e qualidade de vida são fundamentais durante a gravidez.

Mas, se não está se sentindo bem e busca saber mais sobre o assunto, conheça os principais sintomas da depressão na gravidez.

Principais sintomas da depressão na gravidez

A depressão na gravidez pode estar relacionada a alguns fatores, contudo, as alterações hormonais são as principais causas.

Diante disso, os principais sintomas são:

  • Ansiedade;
  • Crises de choro em diversos momentos do dia;
  • Tristeza constante;
  • Perda de interesse por atividades diárias que eram desfrutadas anteriormente;
  • Sentimentos de culpa ou de desvalorização;
  • Sensação de irritabilidade e stress constante;
  • Agitação ou lentidão quase todos os dias; 
  • Fadiga e sensação de cansaço na maior parte do tempo; 
  • Distúrbios do sono como insônia ou sonolência exagerada durante longos períodos; 
  • Excesso ou falta de apetite;
  • Dificuldade em manter a concentração e raciocínio; e
  • Pensamentos de morte ou suicídio.

Geralmente, esses sintomas ocorrem no primeiro trimestre ou no último, já mais próximo ao nascimento. E quando acontecem por um tempo curto, de um ou dois meses alternando entre as semanas, não é considerado um problema grave, pois tende a melhorar com o passar dos meses.

Contudo, se esses picos de stress e crises de ansiedade são intensos, recorrentes e constantes, vale ter bastante atenção, bem como, relatar ao obstetra, para um possível encaminhamento ao psiquiatra. Que poderá avaliar os sintomas com mais precisão.

Também , como já mencionado anteriormente, vale ter atenção para quais momentos são considerados gatilhos para essas crises. Para algumas mulheres, a pressão no trabalho, casamento ou questões financeiras podem ser alertas. E assim, é necessário que amigos e familiares tenham empatia e disposição para ajudar a mãe a passar por esse momento.

Afinal, o bebê sente tudo e quanto mais leve e calmo o ambiente para o desenvolvimento da gravidez melhor!

depressão na gravidez

A depressão pode afetar o bebê?

De acordo com algumas opiniões, a depressão durante a gravidez pode afetar o bebê se não tratada. Isso porque, diante dos sintomas citados anteriormente, alguns cuidados com o bebê podem ser negligenciados, interferindo na correta nutrição, por falta de alimentação. Bem como, falta de interação, entre outras situações, que podem causar partos prematuros e com a saúde mais debilitada ao bebê.

Da mesma forma, estudos indicam que bebês de mães que tiveram depressão durante a gravidez, geralmente nascem com maior quantidade de cortisol circulantes no organismo, hormônio relacionado ao stress. Fazendo com que a vida, aprendizado e questões cotidianas sejam afetadas no futuro.

Porém, se está passando por esse momento delicado e está se culpando por fazer mal ao bebê, fique tranquila. Pois há tratamentos que podem ser feitos, além do apoio familiar e comunitário que é muito importante.

E mesmo que os momentos de stress surjam, tente manter os cuidados básicos de interesse e saúde do seu bebê, como o consumo de alimentos e vitaminas recomendados pelo obstetra. Além de interação, conversas e toques na barriga que tranquilizem e façam com que o bebê sinta o cuidado.

Práticas de respiração, relaxamento e meditação também podem ser bem vistas para essas ocasiões. Uma vez que, igualmente, contribuem para a calma e equilíbrio nos batimentos cardíacos do bebê. Deixando-o mais tranquilo e com maior probabilidade de bem estar durante após a gestação

O que pode causar a depressão na gravidez

Como já dito anteriormente, a depressão na gravidez geralmente está atrelada as frequentes alterações hormonais, normais dessa fase. Mas, causam instabilidade no humor e sentimentos.

Porém, vale ressaltar que algumas situações podem desencadear e agravar essa quadro, deixando a mulher mais vulnerável aos sintomas relacionados anteriormente. E por isso é muito importante que haja uma rede de apoio, que envolva amigos e família, onde possa sentir-se segura e confortável, mesmo diante dos problemas que estão em sua cabeça nesse período.

Normalmente, situações que envolvem problemas financeiros, instabilidade no relacionamento, pressão no trabalho e da comunidade em relação à gestação são as causas mais frequentes para a mãe sofrer de depressão. E por isso, vale o cuidado de tentar manter o entorno da grávida calmo e saudável, com pessoas que realmente irão ajudar e se possível, também vale o auxílio profissional.

Onde terapeutas e psicólogos, por exemplo, podem estimular melhores resoluções, propondo um tratamento através da aceitação e transformação desses problemas.

Logo, a depressão na gravidez pode surgir por diversos motivos, contudo, o excesso de julgamento e problemas podem ser agravantes e devem ser evitados. Portanto, crie um ambiente acolhedor e calmo para sua gestação e lembre-se de priorizar a saúde do seu bebê.

mulher grávida

Como tratar a depressão na gravidez?

A depressão na gravidez pode ser tratada de diferentes formas, dependendo do grau que a mulher encontra-se com suas angústias e sentimentos. Geralmente, isso é medido conforme os sintomas que ela apresenta e assim, é possível indicar um tratamento que realmente surtirá efeito a fim de aliviar e até eliminar os sintomas.

Para alguns casos mais leves, por exemplo, a psicoterapia pode ser indicada, pois através desse trabalho é possível criar uma nova percepção em relação aos problemas, auxiliando na autoconfiança, motivação e amor próprio. Assim, se está com esses sentimentos, uma boa sugestão é procurar por esse tipo de profissional, que poderá conduzir os pensamentos de forma mais clara e amena para esse momento e também após o parto.

Igualmente, nesses casos menos severos, fazer meditações, exercícios para respiração e atividades físicas é altamente recomendável. Pois contribui para a oxigenação sanguínea, equilíbrio no batimento cardíaco e até absorção e distribuição dos nutrientes, melhorando a saúde do bebê.

Alongamentos e yoga também são indicados para amenizar a depressão na gravidez, além de também auxiliarem durante o parto. Assim, se está passando por isso, tente algumas dessas alternativas, mas sempre com indicação e orientação do médico obstetra, que irá sugerir a melhor opção para esse momento.

Além disso, em casos mais graves de depressão, psiquiatras são recomendados, bem como, o uso de medicamentos. Saiba mais!

Quando usar antidepressivos?

Em casos graves de depressão na gravidez, médicos psiquiatras podem receitar medicamentos, contudo, o uso não é tido como totalmente seguro. Uma vez que não há antidepressivo seguro para gestantes.

Logo, quando necessário é prescrito somente após a 12ª semana de gestação, mas sempre com acompanhamento e conhecimento do obstetra. Visto que, algumas formulações podem fazer mal ao bebê, bem como, sua formação ainda na barriga.

Assim, para diminuir o risco de alterações provocadas pelo uso de antidepressivo, normalmente é recomendado que mulheres que nunca fizeram uso desse tipo de medicação, dê preferência para os inibidores seletivos da recaptação da serotonina, ou seja, que são menos agressivos e apresentam menos sintomas ao bebê.

Porém, vale ressaltar que há estudos que demonstram que o uso desses remédios no último trimestre da gravidez, podem causar no bebê efeitos de irritabilidade, alterações na alimentação e no sono, hipoglicemia, desconforto respiratório e agitação após o nascimento, que podem estar relacionados ao consumo do medicamento.

Assim, não hesite e busque auxílio médico e se está passando por essa situação de tristeza, ansiedade e insegurança, tente manter a calma e apoie-se em sua rede de amigos, pois essa fase irá passar.

Deixe seu comentário e conte-nos sobre suas experiências de ansiedade e depressão na gravidez!

Aproveite e leia mais sobre nomes de menino e nomes de menina para o seu bebê.

Lara Janaína Theodoro, mãe da Sara e fã de assuntos relacionados a moda, beleza, maternidade, entre outros sobre o universo feminino. Desde 2018 atua como redatora, trazendo sempre para seus artigos um pouco da sua vivência e experiência como mãe e mulher.

Deixe um comentário